Diário da Phoebe – Dia 4

Quarta-feira. Dia de deixar Phoebe sozinha pela manhã, de novo. Confiando no sucesso da segunda-feira de manhã, decidimos testar se ela ficaria bem. Deixamos brinquedos, fechamos as portas dos cômodos que não deveriam ser visitados na nossa ausência, e fomos.

Voltei na hora do almoço, e o porteiro veio me dizer que ela latiu muito. Subi correndo, tensa. Ela tinha derrubado a manteigueira de cerâmica de cima da bancada da cozinha, e lambido toda a manteiga (felizmente, não era muita). Tinha também puxado o saco de lixo de cima da pia, rasgado e espalhado o lixo (que também não era muito, nem do pior tipo). E, é claro, tinha latido um bocado.

Fiquei tensa. Teoricamente, haveria um espaço de uns 20 min entre a minha saída e a chegada do marido, em que ela teria que ficar sozinha de novo. Liguei para o marido, perguntei se ele poderia sair do curso um pouco mais cedo, e eu chegaria ao trabalho um pouco mais tarde, para evitar deixá-la sozinha.

Saímos para passear, e descobri um pet shop muito fofo, a dois quarteirões de casa, que aceita cães de grande porte para banho, e onde comprei um osso para deixar com ela caso precisasse ficar sozinha de novo.

Marido chegou, saí correndo, e fui mantendo contato por telefone ao longo do dia. Ele deu o remédio para vômito de novo, com medo de que a manteiga pudesse desencadear outra crise. E ela, depois de me deixar acordada à noite, dormiu a tarde inteira…

Está comendo normalmente, fazendo xixi no jornal (se recusa a fazer na rua, o que é bom e ruim ao mesmo tempo, já que aumenta o volume de xixi e a troca de jornal dentro de casa), brincando, e recuperando as forças. Duas semanas atrás, não conseguia se levantar, e só se arrastava. Hoje, já está conseguindo subir na bancada da cozinha para roubar comida.

Tem tomado os remédios numa boa, também. Condicionar o cachorro a tomar remédio sem precisar esconder num pedaço de qualquer coisa é um ótimo treino, que pode ser feito a vida toda como preparação para a velhice.

É bem simples: pegue um grão de ração, ou alguma outra coisa do tamanho de um comprimido, que o cão possa engolir. Deixe ao lado um petisco bacana, que ele adore. Com uma mão, segure o focinho do cão por cima, encaixando os dedos nas laterais da boca dele, bem na junção entre maxilar e mandíbula. Com a outra, segure o comprimido, e, usando um dos dedos, empurre a mandíbula delicadamente para baixo, abrindo a boca. Coloque o comprimido, então, bem no fundo da língua, e segure a boca fechada, até o cão fazer movimento de lambida, que indica que ele engoliu. Quando engolir, elogie, faça festa, e dê o petisco.

É chato de explicar, mas na prática é fácil, e, se o cão for sempre recompensado por isso, rapidamente aprenderá a encarar o procedimento como uma brincadeira. Phoebe toma 7 comprimidos diários sem problema, usando como recompensa só a própria ração.

À noite, decidi tentar algo diferente. Saímos para passear, e fizemos uma caminhada longa, de quase uma hora. Chegamos em casa, e ela mal conseguia ficar acordada. Coloquei a caixa dela no corredor, de frente para o quarto – assim, ela ficaria separada, mas poderia nos ver.

Num primeiro momento, ela chorou e resmungou. Mas fui com paciência conversando com ela da cama, falando baixo, sem ir até lá, e ela foi se acalmando. O sono foi entrecortado, dormia e acordava o tempo todo – e eu junto, acalmando-a a cada vez – mas ela não chorou, não tentou abrir a caixa, nem demonstrou muito stress. Penso que seja só uma questão de encontrar posição dentro da caixa, mesmo, já que ela está acostumada a dormir esparramada no chão.

Lá pelas 4 da madrugada, como eu precisava desesperadamente dormir mais de meia hora seguida, tirei-a da caixa e fui pro sofá da sala. Ela virou pro lado e dormiu até de manhã.

Anúncios

5 Responses to “Diário da Phoebe – Dia 4”


  1. 1 Vivian 12 maio, 2011 às 1:46 pm

    Resumindo… nada adiantou, hoje vc volta pra estaca zero amiga, boa sorte!!!

    Ao deixar ela sozinha tenta o truque do rádio… qq barulho para chamar a atenção dela.

    E nunca deixe comida por perto… ou ao seu alcance.

  2. 3 Tula Verusca 12 maio, 2011 às 1:59 pm

    Ehehehehehehe Lindo demais essa sua dedicação.
    Olha, se você precisar de um lugar para que a Pheebs fique tem a casa do Simbad http://www.casadosimbad.com.br/

    Eu conheço a Jac da internet mas sei que ela não sai nunca de casa, onde é o daycare. Ama muito cães e me parece um lugar excelente.

    Beijos e força ai!

  3. 5 thatiany tais amaro rezende 13 maio, 2011 às 8:35 pm

    eu sou uma amiga boa para o meu cao. Eu adoro ele ,como ele ser me namorado ! eu brico com ele muito , tem veses que ele me bode mais eu nao deixo. Ai que emocao de ter um amigo por perto . Eu ti amor meu amigo! BEIJOS AMIGOS !!!!!!!!!!!!1


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seja bem-vindo!

Este site é uma extensão da comunidade Dicas de Adestramento do Orkut.

Leitores online

web counter

Pesquisar

A função abaixo permite que você localize rapidamente tudo que foi publicado a respeito do termo buscado.

+

Pavê ou pacomê?

Acessos

  • 729,733 visitantes desde jan/08

%d blogueiros gostam disto: