Diário da Phoebe – Atualização

Fiquei meio sem tempo, e aproveitei para fazer um intervalo nas postagens diárias, para evitar ficar  repetitiva. A verdade é que já estamos criando uma rotina, então não faz sentido ficar postando aqui todo dia pra contar que acordamos, passeamos, ela passou o dia bem.

Semana retrasada compramos o colar elizabetano, e ela está ficando com ele o tempo todo que está à toa em casa. Tiramos na hora de passear, e na hora de dar a ração dentro da caixa de transporte.

Isso diminuiu um problema para mim, que ficava o tempo todo tensa, com medo de que ela estivesse lambendo as patas, e fosse abrir outra ferida. Phoebe já teve um granuloma de lambedura (também conhecido como dermatite acral de lambedura), que é uma ferida que o cão abre com as lambidas compulsivas, e que não fecha, porque ele não para de lamber. Agora, submetida a stress, as chances de voltar são enormes. Por isso, está de colar até passar a fase mais difícil.

Já começou também a dormir melhor. Com o portãozinho, fica tranquila de que estamos por perto, e tem dormido bem. Agora que está com o colar, não temos mais nem a preocupação de acordar à noite quando ela acorda (ela sempre dá uma acordada no meio da noite, não tem jeito), é só esperar um pouco que ela volta a dormir.

Temos procurado manter a cozinha sempre limpa, o que acaba sendo uma vantagem para nós, inclusive. Qualquer cheiro de comida lá é suficiente para lançá-la numa busca frenética por qualquer grão de qualquer coisa.

Com relação a ficar sozinha, estamos fazendo uma mescla de táticas. Trouxe de BH os Kongs grandes, o que facilitou fazer o enriquecimento ambiental. Além disso, uma amiga veterinária sugeriu um remedinho (não é calmante, nem remédio controlado, ok?) que poderia deixá-la um pouco mais calma, facilitando que relaxasse na hora de sairmos.

Antes de sair, preparamos o enriquecimento ambiental. Pegamos a refeição da manhã, e às vezes um tiquinho mais, e distribuímos por Kong, brinquedos, escondemos pela casa, colocamos dentro de um pano amarrado. Deixamos também algo para roer, um ossinho de couro ou nylon, ou algum osso de verdade (mas nem sempre, porque ela chega a machucar a gengiva de tanta empolgação pra roer coisas duras).

Aí, damos o remedinho, entregamos alguma das coisas para ela começar a se entreter, e saímos. Já fizemos isso 4 vezes, e tem funcionado – estamos diminuindo a dose do remédio a cada vez, o objetivo é apenas ajudar a condicioná-la a relaxar quando vamos sair.

O resultado é que, nas nossas ausências, ela tem se entretido. Brinca, rói, sobe no sofá, dorme bastante. Ainda não estamos arriscando sair à noite, quando os latidos podem incomodar mais os vizinhos, mas as saídas diurnas por períodos não prolongados demais (cerca de 4h) já estão OK.

Viajamos para BH no fim de semana passado, e ela ficou com essa minha amiga veterinária, que tem outros dois Labradores.  Ainda estamos tentando encontrar um hotelzinho de confiança mais perto de casa, para não ficar dando trabalho pra amigos a cada vez que vamos viajar.

Não tem nem um mês que Phoebe está conosco, e já tenho achado a cada dia mais fácil conviver com ela. Está mais carinhosa, menos ansiosa. Pede cafuné, coisa que nunca foi de fazer muito. Fica por perto, brinca, se esfrega de barriga pra cima em qualquer pedaço de pano que esteja no chão.

Devagarzinho, vamos melhorando. Mantenho vocês informados =)

 

P.S.: Tem um montão de fotos novas, mas não consegui passá-las para cá, agora. Faço um post só com elas, depois.

Anúncios

3 Responses to “Diário da Phoebe – Atualização”


  1. 1 Fernandinha Rezende 27 dezembro, 2013 às 7:01 pm

    Olá! Estou adorando seu diário. Tenho uma cadela, mistura de labrador com basset, que foi adotada. Então, creio que por conta disso, sofra ainda mais com a separação. Como eu trabalho em casa, e ela se acostuma comigo durante o dia, cada ausência é um sofrimento. Não come, chora muito, arranha a porta, puxa o que estiver por perto, e saliva excessivamente. Qual a medicação que você deu para aliviar o stress dela?

  2. 2 Rahpaella 2 maio, 2015 às 5:55 pm

    Isso não esprica nada de incinar a dar a patinhas

  3. 3 Joana S. 8 setembro, 2015 às 8:58 am

    Ola! O seu diário tem sido muito util, poderia fazer um post so com o treinamento de guia? Tenho uma labradora de 4 meses que levo sempre para passear 3 vezes por dia, sempre depois de comer, mas não consigo fazer com que ande a mesma velocidade que eu, quer cheirar tudo e depois de algumas puxadas para parar de cheirar e andar começa a ficar agressiva. É uma cadela muito dócil, mas durante o passeio as vezes perde a cabeça por não a deixar fazer tudo o que ela quer. O que posso fazer para melhorar?Quando chega nesse ponto, já não ouve um ‘Não’.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seja bem-vindo!

Este site é uma extensão da comunidade Dicas de Adestramento do Orkut.

Leitores online

web counter

Pesquisar

A função abaixo permite que você localize rapidamente tudo que foi publicado a respeito do termo buscado.

+

Pavê ou pacomê?

Acessos

  • 714,962 visitantes desde jan/08

%d blogueiros gostam disto: